segunda-feira, 17 de novembro de 2008

- Royal de Luxe - The Sultan's Elephant -

Hoje o nosso assunto é o Royal De Luxe, uma companhia francesa de teatro de marionetes mecânicos, super conhecidos na Europa... mas calma lá! Não são marionetes comuns!!! São marionetes gigantes controlados por dezenas de pessoas, e enquanto é apresentado o espetáculo nas ruas das cidades, um enorme público os acompanha. Fundado em 1979 por Jean Luc Courcoult, a companhia já passou por diversos países, a maioria na Europa. O realismo das expressões e a sincronia dos movimentos são os pontos principais que tornaram esta companhia tão conhecida por lá (e que não consigo entender porque ainda não é por aqui... talvez porque a Globo não descobriu ainda!!).

Um dos seus maiores sucessos é o espetáculo "The Sultan's Elephant", que é o do nosso vídeo de hoje. Envolvendo um aparato móvel gigantesco para controlar o elefante da estória, a menininha (de 11 metros) e outras instalações de arte, o espetáculo foi realizado entre 2005 e 2006 em várias cidades pelo mundo, celebrando o centenário da morte de Júlio Verne, precursor da ficção científica e autor de clássicos da literatura mundial como "20 mil léguas submarinas", "Viagem ao Centro da Terra", "Volta ao Mundo em Oitenta Dias" e "Da Terra à Lua".

The Sultan's Elephant (a quinta estória de uma série) conta a aventura de uma garotinha que viaja no tempo, utilizando seus animais de estimação, como o elefante. E por falar em elefante, a tal companhia parece que tem um espírito meio punk... o tal elefante, que pesava 50 toneladas (equivalente a 7 elefantes africanos) e operado por 22 pessoas, feito de madeira, equipamentos hidráulicos e motores, hoje não existe mais.

Segundo uma funcionária da companhia que produziu a apresentação em Londres em 2006, o pessoal da Royal de Luxe ficou tão de saco cheio com os montes de convites para apresentação pelo mundo, que resolveram um belo dia simplesmente destruir a "máquina elefante". Depois fizeram uma réplica no ano seguinte em Nantes, somente para exibição.

Os marionetes gigantes são incríveis pelo realismo e expressões precisas que nos faz ficar em dúvida algumas vezes, tamanho o capricho do espetáculo. Mas para quem ainda não viu, lá vai o vídeo que dá uma breve amostra (por volta de 5 minutos) do que o espetáculo é. Divirtam-se!

video


--------------------------------------------------------------

13 comentários:

  1. Fiquei sem PC, por isso estive ausente. Gostaria que fosse apreciar meu novo post e que conhecesse meu novo blog, que começo com a minha tradução, com notas explicativas, do primeiro soneto de Shakespeare.
    http://poemasscancoes.blogspot.com
    Um abraço,
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Amigo Malcriado, sensacional! Eu bem que gostaria de vê-los de perto, talvez me sentisse um liliputiano! (rsrsrs)
    Valeu!
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Renata: Beleza... vou lá!

    Carmelito: Rapaz... não tem como não lembrar de Gulliver, não é? Fiquei numa vontade danada de ver ao vivo também!

    Falou!

    ResponderExcluir
  4. Edu:
    Postei o Soneto III e um excerto da Cena do Balcão de Romeu e Julieta de Shakespeare. Vou postar todos os dias. Mas não vou chamar as pessoas todos os dias porque é muito cansativo. Basta ir lá e achará sempre algo de novo.
    Um abraço,
    Renata
    Deixo este recado no outro Blog

    ResponderExcluir
  5. Oi, Amigo da Madrugada!Rs
    Animais lá, animais aqui, Lei da Sincronicidade?
    Os elefantes, animais inteligentíssimos (a famosa memória de elefante, lembra?) ao lado dos golfinhos e castores, eles dão de 1000 a 0 "nim nóis", sabia? Pena que esses SERES EVOLUÍDOS do mundo animal sejam verdadeiros mártires nos circos e filmes bonitinhos de hollywood e coisas que tais. Lembra do Flipper, o golfinho que encantou gerações? Ficou preso no tal aquário e quando "benevolentemente" o soltaram, adoeceu, já deve ter morrido. Fico P...da vida mesmo porque criam essas parafernálias todas que custam milhões de verdinhas e não falam essas "verdades"; outra, o treinamento perverso dos elefantes na própria Índia, sem falar, no tal marfim das suas presas...se Jonathan Swift aqui estivesse em carne, osso e Consciência, sentiria VERGONHA!Intelectual altamente culto e estudado até pela Psicologia, ele não pouparia impropérios, pois tinha uma língua pra lá de ferina, pior que a minha, rsss.
    Crianças e animais, pedofilia e torturas, onde vamos parar?
    Desculpe-me, tô com a cachorra!!!Bjs

    ResponderExcluir
  6. olá, meu malcriado amigo...
    sem pc, usando os serviços de cyber's, com pouco tempo, desejo a você um ótimo final de semana, deixando beijos em seu também malcriado coração...

    ResponderExcluir
  7. Oi, amigo querido!
    Esfriei a cuca, desculpe-me se lhe magoei; você prepara essas novidades com tanto carinho...tanta coisa errada nesse mundo e ontem, para culminar, assisti um filme sobre a guerra civil em El Salvador, com o saudoso Raul Julia no papel do mártir Padre Romero. Coisa de machucar qualquer coração; população civil e humilde sendo trucidada.
    Seu trabalho é lindo, continue!Bjs

    ResponderExcluir
  8. Edu:
    Publiquei no Blog Galeria sobre 3 versões cinematográficas de Romeu e Julieta: 36, 68, 96. Depois dê uma passadinha no meu outro Blog onde publico sonetos de Shakespeare e outras obras do bardo:
    http://poemasscancoes.blogspot.com
    Um abraço,
    Renata

    ResponderExcluir
  9. Querido!
    Estamos, os Brasileiros, em Campanha de Solidariedade pelas vítimas da tragédia que se abateu sobre a Nossa Santa Catarina (a Miriam, Essência Pura me enviou um link revelador da real situação); enfim, pedimos por uma questão de Humanidade que abramos, os blogueiros, uma exceção nos nossos posts para nos solidarizarmos e pedirmos AJUDA àquele povo. Pode ser?
    Grande Afeto!!!

    ResponderExcluir
  10. Fiz uma postagem sobre os psicopatas, se tiver tempo vá por lá. beijos

    ResponderExcluir
  11. Edu:
    Postei sobre o filme A Massai Branca no Galeria e publiquei várias coisas no Poemas e Canções. Dê um pulo lá.
    Um abraço,
    Renata

    ResponderExcluir