quarta-feira, 25 de março de 2009

- Trailer - Sombras de Goya -

O artista das críticas ácidas

Ficha Técnica:
- Título original: Goya's Ghosts
- Ano de produção: 2006
- Diretor: Milos Forman
- Com: Javier Bardem, Natalie Portman e Stellan Skarsgård

Q
uando soube do lançamento de um filme que retratava o pintor Francisco José de Goya y Lucientes (1746 - 1828) no período mais interessante de sua vida, corri como louco para achar, afinal, um filme sobre Goya dificilmente não seria interessante. E as expectativas foram correspondidas! A época em que se passa o filme (1792) foi num período em que ele fez diversas gravuras que foram consideradas obcenas e mexeram com o orgulho da igreja católica em pleno período da Santa Inquisição, principal alvo das críticas do pintor. Mas Sombras de Goya não é um filme sobre o pintor... e sim, sobre as loucuras do período da Inquisição, sobre a necessidade de alguma pessoas de seguirem um ideal, uma doutrina, etc, e as consequências que o fanatismo produz.

A trama tem início com a discussão de um conselho da Inquisição espanhola sobre as gravuras de Goya e a defesa de seu trabalho por um de seus membros, Lorenzo (Javier Bardem), que o admira. Porém, Lorenzo sugere que aqueles são tempos perigosos e que a igreja deveria ressucitar um antigo ritual em busca de hereges, judeus, etc. Para isso, entrava em ação diversos espiões da igreja nos mais inusitados lugares para observar os costumes das pessoas e desta forma, encontrar culpados. Inês, a modelo preferida (Portman) das pinturas de Goya (Skarsgård), filha de um amigo do pintor, tem o azar de estar numa taverna a noite e recusa um pedaço de porco que era servido no local, o que aos olhos do delator era prova suficiente de que ela praticava rituais judeus e assim, a denuncia para a inquisição. Entregue as autoridades seculares, eles decidem ajudá-la a falar a verdade, que em outras palavras seria a tortura como meio do acusado encontrar a "verdade de Deus". Para eles, teoricamente, mesmo sob tortura Deus daria forças suficientes para que o acusado suportasse os contratempos e falasse a verdade (ou algo do tipo).

Aflitos, os pais de Inês pedem ajuda à Goya para intervir por sua filha através de seus contatos, uma vez que ele é o pintor oficial da corte. Com isso, Goya fala com Lorenzo, de quem está pintando um retrato, para ajudar a libertá-la. Como forma de ganhar o apoio de Lorenzo, a família da garota convida Goya e Lorenzo para um jantar, mas durante o encontro, Lorenzo diz que nada pode fazer para libertar Inês, que confessou ser judia (graças às torturas). Revoltado, o pai dela propõe um teste para ver se este método realmente funciona, escrevendo uma carta em nome do próprio Lorenzo que confessa ser um macaco e o tortura na sua sala de jantar até que este endosse o documento, provando assim que sob tortura qualquer um confessaria qualquer coisa. Com o tal documento na mão, este propõe que a "confissão" seja a moeda de troca pelo empenho de Lorenzo na libertação de sua filha, caso contrário entregaria o documento para os seus superiores. O grande problema é que Lorenzo vai ao encontro de Inês, que mantida prisioneira e nua, acaba se tornando uma obsessão para o frei e o problema só ganha novos ingredientes, com a negação da igreja para o pedido de libertação de Inês feito por Lorenzo.

O filme mostra a versatilidade do diretor Milos Forman (que também dirigiu grandes filmes como "Um estranho no ninho", "Hair", "Amadeus" e "O Mundo de Andy") em mostrar a corrupção do indivíduo, o fanatismo e o sofrimento das vítimas das loucuras dos homens. Outro que dá um show é Javier Bardem que mostra ser um ator fantástico, principalmente encenando o papel de vilão. Apesar de tratar da Inquisição espanhola, o filme ainda assim consegue ser atual e inclusive me fez lembrar (não sei por que) da ditadura brasileira, ainda mais que este ano é o aniversário de 40 anos da implantação do AI-5 no Brasil, a fase mais negra de nossa história.

Outro ponto que me fez lembrar do filme foi o recente caso do estupro da menina de 9 anos que acabou ficando grávida de gêmeos e que causou grande polêmica no país depois da igreja ter excomungado a menina que foi vítima, sua família e os médicos que realizaram o aborto, mas sem punir o estuprador, já que para eles o aborto é um crime muito maior do que o estupro. Chega a ser interessante o fato da igreja católica (e deixo claro aqui que não tenho nada contra ela) que sob a batuta do Papa Bento XVI tenta de todas as formas combater a debandada de seus fiéis para outras religiões, mas mesmo assim ainda continua com posições tão absurdas para os tempos de hoje, o que é um paradoxo. O fato em si nos induz a acreditar que o Vaticano ainda tem em relação à mulher um preconceito disfarçado, ao invés de respeitá-las mais, afinal, desconfio que a grande maioria dos seus seguidores são mulheres. No início deste mês, praticamente no mesmo período da excomungação da menina estuprada, o Vaticano publicou em seu jornal um artigo que defende que talvez a máquina de lavar tenha feito mais pela mulher do que a pílula anticoncepcional ou o acesso ao mercado de trabalho! Talvez vendo a bobagem (mais uma das tantas já faladas, até pelo próprio Papa), Bento XVI se pronunciou pedindo respeito à dignidade da mulher, homenageando Madre Tereza de Calcutá no dia internacional da mulher, afinal, ele também não é louco. Talvez, ao invés de ficar tentando esconder os graves erros do seu passado (como o silêncio perante o holocausto), ao invés de ficar sustentando posições que vão de encontro às necessidades dos tempos atuais (como recriminar o uso de camisinhas e pesquisas com células-tronco), seria mais interessante acompanhar as mudanças dos tempos. E convenhamos, qualquer moralismo vai por terra com tanto caso de pedofilia entre padres.

Mas, polêmicas à parte e voltando ao assunto (antes que eu seja excomungado pela igreja ou por vocês leitores), Sombras de Goya é um filme que nos faz pensar sobre muitos comportamentos e com certeza vale a pena ser visto, por também ter uma ótima fotografia e atuações brilhantes dos atores. O trailer já dá uma boa mostra do que é:


Caso não consiga assistir ao trailer, clique aqui.



Fontes:
Folha online e Wikipédia

quarta-feira, 18 de março de 2009

- Muito Além do Cidadão Kane -

O Big Brother está de olho em você!

Não! Este não é um post sobre o reality show Big Brother Brasil... se você achou que era sobre isto, sinto dizer, mas você veio ao lugar errado! Inclusive, hoje descobri que existe uma infinidade de blogs que se ocupam disto... quanta criatividade!!! Mas, se você quer saber sobre o histórico de manipulação da Rede Globo, notícias tendenciosas e toda as táticas para induzir seus telespectadores, aí a história é diferente... aqui é o seu lugar!

Hoje falaremos do documentário "Muito Além do Cidadão Kane" (Beyond Citizen Kane) feito pela TV inglesa Channel Four sobre Roberto Marinho e o seu império brasileiro das telecomunicações, que se tornou uma grande pedra no seu sapato. Produzido em 1993, o documentário mira sua críticas ao ex-presidente e fundador da Rede Globo, Roberto Marinho, fazendo uma comparação com Charles Foster Kane, personagem do filme Cidadão Kane de Orson Welles, que conta a trajetória de um magnata da comunicação nos Estados Unidos. O personagem de Cidadão Kane foi baseado em William Randolph Hearst, proprietário de vários jornais, revistas, cadeias de rádio e uma produtora de cinema, além de ser conhecido também como o precursor da chamada "imprensa marrom". Segundo o documentário, a Globo emprega a mesma manipulação grosseira de notícias para influenciar a opinião pública como fazia Kane no filme.

O documentário cita fatos importantes envolvendo a Rede Globo, desde sua fundação através da parceria ilegal com grupo americano Time-Life, o apoio à ditadura militar, a manipulação das informações para privilegiar o então candidato Collor nas eleições para presidente em 1989, entre outras situações. Em Muito Além do Cidadão Kane, diversas personalidades fazem seus depoimentos como o cantor Chico Buarque, o político Leonel Brizola, o publicitário Washington Olivetto e o atual presidente, Luís Inácio Lula da Silva. Quando o documentário ficou pronto para ser exibido no Reino Unido, a Rede Globo fez o possível para impedir sua exibição por lá através das leis britânicas, o que fez a transmissão ser adiada em 1 ano.

Sua primeira exibição pública no Brasil foi em março de 1994, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ), mas um dia antes da estréia, a Polícia Militar recebeu uma ordem judicial para apreender cartazes e a cópia do filme, ameaçando, em caso de desobediência, multar a administração do MAM-RJ. O secretário de cultura acabou sendo despedido três dias depois. O filme ainda seria exibido ilegalmente durante os anos 90 em universidades e a partir do ano 2000, foi amplamente divulgado com a popularização da internet. A Rede Globo ainda tentou comprar os direitos de exibição do programa no Brasil, provavelmente para tentar impedir sua exibição. Entretanto, antes de morrer, Simon Hartog (o diretor do documentário) tinha feito antes de falecer um acordo com organizações brasileiras para que os direitos de exibição do documentário não caíssem nas mãos da Globo, a fim de que pudesse ser amplamente conhecido tanto por organizações políticas quanto culturais. Sabendo disso, a Globo perdeu o interesse em comprar o filme (orientada pelos seus advogados), mas até hoje uma decisão judicial proíbe a exibição de Beyond Citizen Kane no Brasil.

O incômodo criado pelo documentário é visivelmente notado no site Memória Globo, da própria emissora, onde destacam-se justamente os eventos negativos que foram focados em Muito Além do Cidadão Kane, quase como uma forma de se justificar (ou de colocar em descrédito) o que foi abordado, como as eleições de 89 (tendenciosamente apoiando o candidato Collor), os eventos sobre as Diretas Já de 84 (ignorada pela emissora na época), a tentativa de fraude nas eleições do Rio de Janeiro em 82 (onde a Globo informou dados alterados das pesquisas visando favorecer o candidato da ditadura), entre outras. Um dos entrevistados no documentário comenta com lucidez o poder político que a emissora tem, por tratar os assuntos sempre com a visão governista da situação. Também pudera... os políticos mais poderosos do país tem ligações estreitas com a Globo, como é o caso de ACM na Bahia (a família é a dona da Rede Bahia e filiadas), Sarney (a família é a dona de emissora filiada no Maranhão), assim como tantos outros políticos.

A abertura do documentário:
Caso não consiga assistir, clique aqui.

Recentemente a emissora cearense TV Diário, filiada e dos mesmo proprietários da TV Verdes Mares que, por sua vez é filiada à Rede Globo, teve interrompido o seu sinal via satélite desde o dia 25 de fevereiro, tendo o seu sinal restrito apenas ao Estado do Ceará. Blogs e sites especializados, diretamente apontam a Rede Globo de Televisão como a principal responsável pelo interrompimento do sinal. “A TV Diário corria na contramão dos interesses obscuros da Rede Globo”, publicou o blog Vi o Mundo, do jornalista Luiz Carlos Azenha. A TV Diário tem como principal característica mostrar a região nordestina com uma linguagem coloquial desviando do foco pré-adquirido por outras emissoras do País, utilizando-se de irreverência e uma didática inovadora e diferente.

E sobre o título do post, para os que não sabem, Big Brother é o nome dado ao ditador do filme 1984 (já comentado anteriormente no Arte de Quem), adaptado do livro de George Orwell sobre uma sociedade pós guerra atômica, em que seus cidadãos são totalmente manipulados por um regime totalitário que considera as emoções ilegais, além de vigiar a todos através de câmeras espalhadas em todos os ambientes. Daí veio o nome do programa... muito irônico a Rede Globo batizar assim o seu reality show!

Parte (editada) do documentário sobre a manipulação "global":

video

E para aqueles que se interessaram pelo filme, assistam ele (inteirinho) online aqui ou, se quiser, baixem o documentário: Parte 01, Parte 02, Parte 03 e Parte 04 [Tamanho: 327 mb (total) - Formato: RMVB]

Créditos do Download: Fórum F.A.R.R.A.

• Fontes: Wikipédia, Jornal O Estado e Blog Vi o Mundo.

terça-feira, 10 de março de 2009

- Trailer - Quem quer ser um milionário? -

Hoje vamos falar de Índia. Na verdade, não é a primeira vez que o Arte de Quem toca neste assunto... já fizemos um post há algum tempo sobre este país. Mas hoje a Índia entrou definitivamente na moda, principalmente depois que a TV Globo resolveu fazer uma novela tendo como pano de fundo a exótica Índia. Quando soube desta novela, desconfiei de imediato da escolha do país... afinal, vender uma novela brasileira para a Índia, o segundo país mais populoso do mundo (com mais de 1 bilhão de pessoas), utilizando este mesmo país como veia central da trama através do seu modelo global de luxo, com certeza seria um enorme filão de ouro, no caso de sucesso. E tem tudo para ser! Na cidade mais populosa, Bombaim, por volta de 12 milhões de habitantes vivem em barracos superlotados, como na favela de Dharavi, onde poucas são as casas que tem água encanada e banheiro, mas que mesmo assim é raro encontrar uma casa sem TV. E como diria Nelson Rodrigues (se estou certo), "o rico é o espetáculo predileto do pobre".

Mas deixando a Globo um pouco de lado, hoje vamos tratar do surpreendente filme "Quem quer ser um milionário", que desbancou filmes como "O Curioso Caso de Benjamim Button" (que tinha 13 indicações) e faturou nada menos que 8 estatuetas (melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro adaptado, melhor canção original, melhor trilha sonora, melhor edição, melhor mixagem de som e melhor fotografia) das 10 que concorria e foi a grande surpresa da noite. E o filme corresponde? Para responder esta pergunta, imagine agora um filme sobre o desempenho de um modesto concorrente do programa "Show do milhão" de Sílvio Santos. Parece estranho, mas este filme é parecido com isso. O que faz de "Quem quer ser um milionário" um belo filme é a forma como é contada, que é fascinante.

O filme conta a estória de Jamal, um rapaz simples nascido nas favelas de Bombaim, que consegue a grande chance de participar do programa de perguntas e está há um passo de ganhar 20 milhões de rúpias, feito este que faz com que os organizadores do programa fiquem desconfiados de trapaça, afinal, como pode um favelado acertar perguntas que a maioria não saberia responder? O personagem é torturado para que confesse a verdade e, ao afirmar que é inocente, é colocado sob inquérito policial para que explique como chegou a resposta, buscada em cada situação vivida por ele, servindo como condutor da trama. Há também atrelada à estória a busca pelo seu grande amor, Latika, que vive sempre aos desencontros com ele.

Apesar de ser uma produção britânica (mas com atores indianos e encenada na Índia), a conquista do prêmio máximo do cinema é um passo enorme para o cinema indiano que, atualmente, é a maior produtora cinematográfica do planeta, graças aos filmes de Bollywood, a Hollywood de Bombaim. Seus filmes são falados em hindi e fazem um grande sucesso na Ásia (dominando 90% do mercado nesta região) e em países onde existem expressivas comunidades de imigrante indianos, como Reino Unido e Estados Unidos.

O grande contraponto disso é que "Quem quer ser um milionário" não foi bem recebido na Índia. Muitas críticas foram feitas por considerar que o filme se vale da "pornografia da miséria", o que bate de frente com o orgulho do país, que detesta que as câmeras enfoquem a miséria local. Como a Índia também está orgulhosa do seu crescimento econômico e almeja patamares de superpotência, o filme é encarado como uma propaganda negativa. O filme, de fato, mostra a realidade crua do país que possui 455 milhões de habitantes que sobrevivem com menos de 1,25 dólar por dia. E isso é fato!

Para entender melhor a repercussão, basta saber quais as características dos filmes produzidos pela Bollywood. Utilizando sempre cenas em países estrangeiros (de preferência famosos pontos turísticos), suas produções tem uma grande dose de melodrama, muitas vezes readaptando grandes sucessos do cinema americano para os costumes indianos (como já aconteceu com o enredo do filme "Três Solteirões e um bebê", totalmente adaptado para o filme indiano "Hevy Babyy" de 2007), não pode faltar a relação familiar dos personagens, tem que ter muita emoção, são extremamente musicais, cheios de coreografias com dezenas de participantes (a lá "Thriller") e personagens cantores e procuram a todo custo esconder a realidade de miséria e pobreza, corrupção e tráfico, funcionando como um entretenimento escapista para o público sonhar... e geralmente duram em média 3 horas. Acostumados a filmes do tipo, é muito natural o desconforto do público com "Quem quer ser um milionário" ("sorte da Globo!" diriam muitos).

Mas polêmicas à parte, o filme vale ser visto porque, mesmo mostrando a miséria que as pessoas passam, pela desigualdade e tudo mais, ainda assim consegue contar uma belíssima história, e de quebra, também faz uma homenagem (ou uma crítica) à Bollywood, para os mais atentos.


Caso não consiga assistir ao trailer, clique aqui.


Quer baixar filmes de Bollywood? Acesse http://www.bollywood.tv/


Fontes:
Folha de SP (online), Revista National Geographic (Maio de 2007) e Revista Super Interessante (Janeiro de 2008).
Créditos da Imagens:
Cenas do filme e Revista National Geographic (Maio de 2007)



-------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 5 de março de 2009

- Um ano de vida e prêmio dardos -

No dia 29 de fevereiro de 2008 o "Arte de Quem?" completou 1 ano de vida... na verdade podemos dizer que o aniversário pra valer foi no dia 1º de março, já que foi o dia em que veio uma postagem nos moldes de como é feito aqui... com um vídeo sobre alguma coisa interessante.

Mais ou menos coincidindo com a data, recebi com surpresa do Marcello "Carmelito" uma indicação para o "prêmio dardos", uma iniciativa bem legal e um grande incentivo, principalmente para curar as momentâneas paranóias da síndrome de "ninguém-lê-o-que-eu-posto" (:c)). Segundo as regras do jogo, “com o Prêmio Dardos se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc, que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web.” Os agraciados devem seguir algumas pequenas regras; são elas: 1 - Colocar a imagem do selo no seu blog; 2 - Linkar a pessoa que te indicou; 3 - Indicar mais 15 pessoas ao prêmio; 4 - Comentar no blog dos indicados sobre esta postagem.

Decidi então participar com o Arte de Quem porque eu acho que é mais eclético e menos narcisista do que o Arte por Parte. Seguindo as regras, os meus indicados são:

- Antiguidade, a história embaixo da história
- Beto Melodia
- Blog da Milu
- Colorabilis
- Crisfonseca: desenhos realísticos a lápis grafite
- Dicas Blogger
- Fome de Tudo
- Galeria da Renata Maria M. P. Cordeiro
- Giramundo
- Lampejos
- Partículas do Sentido
- Poemar-te
- Rockistory
- Sessão da Tarde
- Vanuza - Obra Literária

Na verdade, estou participando mais pela gentileza do ato do que por participar pra valer da coisa, e mesmo porque os blogs indicados acima são realmente interessantes, dentro de suas peculiaridades. É claro que os meus escolhidos tem toda a liberdade para entrar ou não no lance de escolher novos candidatos, mas de qualquer forma, o selo já é de vocês pelo reconhecimento da obra (mudei um pouco as regras). E sobre a premiação à este blog!? Não tenho grandes pretensões com o Arte de Quem (ou com o Arte por Parte)... trata-se apenas de um espaço onde passo o meu tempo compartilhando as coisas que vejo por aí! A vida não seria tão melhor se tudo fosse mais compartilhado!?

E por falar em compartilhar, segue abaixo um vídeo muito interessante que vi por aí sobre a ganância (ou o mal que ela traz). Muito legal!

O Buraco Negro:

video